Home   PPP – 6. Metodologia

PPP – 6. Metodologia

O Recreio é uma escola que reconhece e fortalece o protagonismo da criança. “As formas como ela vivencia o mundo, constrói conhecimentos, interage, se expressa, servem de base e de fonte de decisões em relação aos fins educacionais, às metas e metodologia de trabalho da escola” (Zilma de Oliveira). Diante das experiências vividas pela criança e pelo grupo, o olhar e a escuta sensíveis do educador geram escolhas de conteúdos e de didáticas, ligadas às necessidades individuais e coletivas, também relacionadas à faixa etária.

Essas escolhas consideram o tempo e o espaço das experiências e vivências das crianças e são organizadas no planejamento e na rotina de todos os grupos, contemplando também: o livre brincar, os momentos de interação, as linguagens (ligadas às áreas de trabalho) e os cuidados (alimentação, higiene e sono), visando que as crianças possam estabelecer ligações e articulações entre suas diferentes experiências. 

As crianças, em cada ciclo do seu desenvolvimento e a partir de sua subjetividade, refletem e tomam consciência do mundo de diferentes maneiras. Quanto menores são, suas representações e noções sobre o mundo estão associadas diretamente aos conhecimentos práticos e às experiências realizadas sobre seu entorno. À medida que crescem novos recursos são descobertos e aprimorados. 

Entendemos a forma da criança atuar como sendo uma “ação pesquisadora”. Seu corpo e seus sentidos são a porta para o mundo. É através da visão, audição, olfato, tato, paladar, das sensações e do movimento, que ela descobre cada detalhe ao redor. Apropriando-se do seu meio, passa a entregar-se, a confiar e a conhecer muito mais o ambiente e pessoas à sua volta. O crescente domínio e uso da linguagem, assim como a capacidade de interação, possibilitam que seu contato com o mundo se amplie, sendo cada vez mais mediado por representações e significados construídos culturalmente. À medida que se apropria e sistematiza conhecimentos, a criança constrói e reconstrói noções que favorecem mudanças no seu modo de pensar. Isto permite que ocorra um processo de constante confrontação entre suas “hipóteses” e as explicações e os conhecimentos culturalmente difundidos. 

Por meio da possibilidade de formular suas próprias questões, buscar respostas, experimentar possibilidades, imaginar soluções, expressar suas opiniões e concepções de mundo, confrontar seu modo de pensar com o de outras pessoas e com o pensamento científico, a criança poderá refutar e reformular explicações para a pluralidade e diversidade de fenômenos e acontecimentos do mundo social e natural, construindo conhecimentos cada vez mais elaborados. 

Essa forma de apropriação do conhecimento, de si e do mundo, se dá através de experiências motoras, afetivas e cognitivas, que revelam e firmam o desenvolvimento humano, que é social e integrado.

“O motor, o afetivo, o cognitivo, a pessoa, embora cada um desses aspectos tenha identidade estrutural e funcional diferenciadas, estão tão integrados que cada um é parte constitutiva dos outros. Sua separação se faz necessária apenas para a descrição do processo. Uma das consequências dessa interpretação é de que qualquer atividade humana sempre interfere em todos eles. Qualquer atividade motora tem ressonâncias motoras e cognitivas: toda operação mental tem ressonâncias afetivas e motoras. E todas essas ressonâncias têm um impacto no quarto conjunto: a pessoa.” Mahoney.

Como dito, no Recreio acreditamos e prezamos o tempo e o ritmo próprios de cada criança diante de suas pesquisas, conquistas e desafios. Também se entende que, dentro da diversidade das crianças, há aquelas que precisam de estratégias diferenciadas e específicas para conseguir se desenvolver; chegando a necessitar, em alguns casos, de um acompanhante educacional presente de forma mais próxima e constante, auxiliando-as na integração com o grupo e na interação com outros grupos, garantindo o seu espaço de expressão, escuta e entendimento do vivido. Além disso, sendo necessário, estabelecemos, trocas com outros profissionais que acompanhem as crianças.